Serpro, Dataprev e Telebras devem acelerar parcerias e não fusão, diz Mazoni

Serpro, Dataprev e Telebras devem acelerar parcerias e não fusão, diz Mazoni

Sob pressão dos funcionários do Serpro que convivem com rumores de fechamento de regionais, escritórios e demissões, o presidente do órgão, Marcos Mazoni, procurou tranquilizar suas equipes. Segundo o executivo, a redução de despesas proposta pelo Conselho de Administração ainda está em estudo mas garantiu que será o Serpro a dar a palavra final. “Estou no Serpro desde 2007, e na minha gestão nunca houve demissões. Pelo contrário, contratei quatro mil trabalhadores, mão de obra muito importante para a empresa”, afirmou na semana passada, em reunião com os sindicalistas de todo o Brasil representados pela Fenadados. Também aproveitou para mandar outro recado: ao contrário do que vem sendo ventilado sobre uma possível fusão da companhia com a Dataprev e Telebras, o que está em jogo é uma aceleração das parcerias entre as três.

Há oito anos à frente do órgão, Mazoni foi renomeado pelo governo para mais um ano na condução do Serpro mas dos seis membros do Conselho de Administração da companhia, do qual ele faz parte, quatro foram nomeados pelo Ministério da Fazenda e um pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. E foi da Fazenda que veio a decisão de pedir ao órgão que entregue até o próximo dia 26 um plano para com medidas para otimizar a empresa, tornando-a mais ágiel e inovadora o que seria uma demanda dos clientes. “Precisamos criar mais uma regional em Manaus, e não fechar. Até porque fechar regionais afetaria a capacidade produtiva do Serpro”.

Marcos Mazoni também negou que haverá fusão entre Serpro, Dataprev e Telebras. Segundo ele, o que há é a negociação de um acordo de parceria entre as três empresas, visando a otimização dos serviços prestados e compartilhamento de tecnologia e estruturas. “Na próxima semana, haverá uma reunião entre os presidentes das três empresas e o diretor do DEST”, contou.A proposta de fusão teria sido um dos cenários traçados pelo Dest (Departamento de Governança das Estatais) ligado ao Ministério do Planejamento.

A tensão entre os sindicalistas permanece e um novo encontro será realizado na quarta-feira, na sede da Fenadados. No entender da entidade, apesar da afirmação de Mazoni de que não haverá demissão, esse posicionamento foi considerado como uma atitude individual. Tanto que já está sendo chamado para o dia 18 um dia nacional de luta e defesa do Serpro que ocorrerá em frente a todas as unidades do órgão.

Apesar de Mazoni ter afirmado que enquanto estiver presidente da empresa não haverá demissão, os/as trabalhadores/as tem que ficar em alerta, pois esta é uma posição individual. A intenção política de enxugamento está posta. Portanto, os/as trabalhadores/as devem atender o chamado à luta. No próximo dia 18 de dezembro/2015, ocorrerá atos em frente a todas as unidades do Serpro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha: *